Jovens são cercados por influências ao uso de drogas

Por Mathias Sallit

Os jovens se encontram diversas vezes em ambientes e ocasiões que são marcados pelo consumo de drogas, sejam lícitas ou ilícitas. A reação do jovem ao vivenciar tal experiência vai depender da sua concepção e do nível de esclarecimento sobre o assunto. As influências podem ser enxergadas de maneira positiva ou negativa pelo indivíduo, que tende a acompanhar as interferências que o cercam durante a vida.

É o que afirma a psicóloga Nathalia de Araújo Fáris, que diz que a interpretação de uma situação de consumo é construída não no momento, mas no desenvolvimento da personalidade do indivíduo. “Às vezes um pai bebe ou usa drogas, mas o filho tem consciência de que aquilo pode não ser bom para sua saúde. Quando a referência é somente baseada em fatores positivos, ou quando for mal esclarecida, a tendência de o jovem se interessar por beber ou usar drogas, é grande. Essa ambivalência também pode gerar dúvidas, confusões e angústias”, disse Nathalia.

A importância dos pais não é apenas no exemplo que dão aos filhos, mas também no diálogo que têm sobre o tema. As atitudes devem ser condizentes com o que falam, para que esclareça  o jovem. A formação da individualidade e personalidade do jovem tem seu instante mais marcante durante a adolescência, momento que as drogas passam a ser mais presentes nas vidas, enquanto as pessoas passam a ser mais vulneráveis. Para a psicanálise, a adolescência é um momento de crise, quando o adolescente se sente perdido e percebe que outras pessoas não são capazes de resolver seus sentimentos.

“O adolescer é apenas uma travessia. Compreendemos o quão difícil é para um jovem se constituir como sujeito e ser pensante imparcialmente à todas as influências do mundo”, disse a psicóloga, que completa tratando as amizades como influências diretas para uma busca de “status” dos jovens. Mas não são os únicos motivos do consumo. Passar por um momento difícil, como um trauma ou uma angústia, são fatores que podem desencadear no uso. Além de razões ruins, as situações boas, como instantes de celebração e diversão, também influenciam.

(Fotos: Reprodução/wikiHow)

Mas, durante tal etapa da vida, a formação da personalidade, do caráter, de valores aprendidos e experiências contribuem sobre como cada jovem reagem ao assunto. Laços familiares e a base educacional serão determinantes para o adolescente ser ou não induzido ao consumo. As mudanças também podem fazer com que, ao formar uma personalidade independente da dos pais, o indivíduo não repita ações feitas pelos progenitores.

“Acredito que um jovem quando colocado frente a essas “tentações” pode vir a experimentar diversas situações que quando frequentes, podem vir a se tornar um problema crônico em sua vida”, conclui Nathalia.

Influência da Mídia

Segundo a psicóloga, a mídia tem um papel forte na formação de opinião das pessoas. Apesar de alguns comerciais usarem a conscientização como tema, grande parte das propagandas se interessam em divulgar o produto e aproximar o cliente a ele.

“Os veículos de comunicação são de grande influência para qualquer indivíduo da atualidade, isso porque temos acesso contínuo a esses meios. O jovem vê uma saída através de um personagem, de um filme, de uma propaganda e logo pensa que finalmente encontrou algo que lhe faz sentido. A maioria deles acredita no que vê, lê ou ouve na televisão, nas revistas e nos jornais”, afirma Nathalia, que inclui a exposição dos efeitos “prazerosos” das drogas como mais uma forma de intervenção da mídia.

“A publicidade desses produtos associa beber com diversão, charme, alegria, aventura, sucesso profissional e aceitação social. Todos os efeitos negativos do consumo dessas substâncias acabam por se perder no conjunto da peça publicitária, impossibilitando uma reflexão a respeito dos supostos efeitos positivos, que são tão alardeados”, esclarece a psicóloga.

O Jovem

Marco Aurélio* fumou maconha pela primeira vez aos 15 anos de idade. A curiosidade foi o que o levou a experimentar. Mas a partir dos 18 anos que o uso começou a ser frequente até se tornar praticamente diário. Usou outras drogas também por curiosidade, como cocaína e bala, derivada do ecstasy. Mas nunca misturou as substâncias. Agora, aos 26, decidiu parar para tentar a chance de um novo emprego. Para muitos, um desafio. Porém Marco está há quase um mês fora do uso e afirma que, apesar de sentir vontade, consegue se controlar e não consumir a droga.

“Eu acho que a pessoa tem que ter controle em cima do que ela usa. Não pode deixar o uso tomar conta da vida. Não é fácil nos primeiros dias. Como você tá habituado é difícil, seu corpo sente falta. Na primeira semana é mais complicado. Agora estou indo para a terceira semana e você pode acender o baseado do meu lado que eu vou ficar de boa. Dá vontade de fumar mas eu sei que consigo me controlar e não fumar”, afirma Marco

*Nome fictício. A fonte preferiu não se identificar.

 Editado por Giovana Lastori

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s