Previdência privada é alternativa para jovens que já pensam em aposentadoria

Por Rafaela Galvão

Após o governo interino do presidente Michel Temer anunciar uma reforma na previdência social, a procura pelo termo “previdência privada” triplicou no último mês segundo o Google Trends. E não foi só a pesquisa que aumentou. De acordo com a  Fenaprevi (Federação Nacional de Previdência Privada e Vida), as contribuições em planos de previdência privada somaram R$ 52 bi no primeiro semestre deste ano. Isso significa um crescimento de 13% em comparação ao mesmo período do ano passado.

Na Região Metropolitana de Campinas, os investimentos em previdência privada chegaram a subir 35% no primeiro semestre de 2016, segundo dados da Caixa Econômica Federal. Natália Sabidussi, de 25 anos, faz parte dessa porcentagem. A jovem contribui com a previdência privada e afirma estar satisfeita com o investimento por ser uma boa alternativa para poupar dinheiro a longo prazo. Natália pensa no futuro: “é uma certeza de que você está amparado quando se aposentar.. Como as leis tendem a mudar, não sabemos se teremos direito à aposentadoria do governo”, argumenta.

14599876_1105020016242645_741541871_o-1
Foto: Rafaela Galvão

O brasileiro não tem o hábito de investir nesse tipo de previdência. Para o professor de Economia Izaias Borges, isso acontece porque o Brasil “ainda tem uma previdência social que funciona razoavelmente bem. Os países em que a previdência privada é mais popularizada são aqueles em que a social não é tão boa, como a Coreia do Sul”. No entanto, há uma mudança de cultura em relação à essa postura. “Vem crescendo bastante a preocupação com o futuro e o interesse pela previdência. A geração que hoje tem 20 anos tem expectativa de vida maior do que no passado. Estima-se que essa geração ultrapasse os 90 anos, portanto pensar a longo prazo começa a ser bem mais importante do que antes”, argumenta o economista.

Uma pesquisa realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) aponta que a pirâmide etária do Brasil está sofrendo inversão. Desta forma, o INSS deverá estabelecer um teto da aposentadoria, o que para algumas pessoas pode significar queda de renda e necessidade de renda complementar. Assim, adquire-se maior cuidado acerca do futuro.

A universitária Pamela Souza, de 21 anos, não acredita que a previdência privada seja vantajosa. A estudante de Administração preocupa-se com sua velhice e costuma pesquisar sobre os melhores fundos de investimento. A jovem crê que a previdência social pode valer a pena sim, mas alerta: “apesar de a aposentadoria ser um ponto muito importante a se pensar, deve-se ficar atento às leis que mudam ano após ano e se reajustam também, principalmente em relação à aposentadorias por tempo de serviço”.

money-515058_960_720
Créditos: divulgação

Além da previdência privada, existem outras formas de aplicar dinheiro, como títulos públicos e ações. No entanto, o especialista Izaias Borges previne: deve haver cautela ao tomar a decisão de arriscar investir por conta própria, pois, diferentemente da previdência privada, alguns desses investimentos cobram taxas. “Além disso, você pode acabar gastando o dinheiro. Na previdência você não pode mexer. É um fundo de reserva. Hoje ela remunera mais do que a poupança, por exemplo”, completa o economista.

imagem2
Crédito: Rafaela Galvão

Editado por Thais Bueno

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s