Sessão Coliseu abre espaço para a interação áudio visual

Por Felipe Soria

10ª edição da Mostra Curta Audiovisual de Campinas conta com diversas atividades e programações culturais para a interação de deficientes visuais e aqueles que não possuem qualquer deficiência. A Mostra ocorre entre os dias 15 e 24 de setembro.

img_23391
Sala de cinema da Sessão Coliseu (Créditos: Felipe Soria)

Em especial, a Sessão Coliseu, chamou a atenção por se tratar de um evento na qual junta cinema e acessibilidade. Exatamente, cinema para portadores de deficiência visual e audição. A atividade ocorreu na Casa do Lago, na Unicamp, às 16 horas e contou com uma áudio descritora e uma intérprete de libra para justamente fazer a ponte entre os portadores de deficiência e os curtas.

Para André Lopes, 29, produtor da Mostra Curta Audiovisual, o tema é muito importante para que haja um acesso à cultura para qualquer pessoa, independentemente se ela tem ou não deficiência. Ainda de acordo com André, o acesso à cultura é um dos problemas que as pessoas com deficiência encontram. Os locais dos eventos foram todos pensados também para facilitar a acessibilidade.

André
André Lopes no stand da Mostra Cultural (Créditos: Felipe Soria)

A áudio descrição é um recurso usado para pessoas portadoras de deficiência visual poder ir à além de apenas ouvir um filme. O recurso conta com um narrador descrevendo tudo que vai acontecendo na tela, passando elementos que o som não é capaz de se fazer entender. Por exemplo, a descrição de um local, de um semblante ou até mesmo de uma expressão de tristeza ou alegria, muitas vezes importantes para a compreensão de um enredo.

Na sessão dos curtas, a áudio descritora foi a professora de cinema, Bel Machado, 54, da Secretária da Pessoa com Deficiência que apoia a Mostra Curta Audiovisual há pelo menos 3 anos. Para ela, a mostra é fundamental para divulgar os trabalhos dos diretores animadores da cidade e da região, além de proporcionar um acesso à cultura para todos.

O deficiente visual Luiz Antônio Rodrigues, 53, fisioterapeuta e coordenador da Secretária dos Direitos da Pessoa com Deficiência de Campinas, contou que com a ajuda do áudio descrição e da riqueza de detalhes narradas, a entrega e a experiência do filme, se tornam completas.

Editado por Pedro Alves e Rafael Dall’Anese

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s