Crédito estudantil privado pode ajudar universitários

Por Renan Fernandes

Com o agravante da crise econômica mundial, os governos dos países em crise movimentam-se de forma que o prejuízo possa ser menor do que o previsto para as contas públicas. No Brasil, os cortes são em diversas áreas de serviços públicos, inclusive na educação. Alguns programas sociais já sofrem com as alterações feitas pelo Governo Federal. Um exemplo é o FIES (Fundo de Financiamento Estudantil). A reformulação do sistema de aquisição do financiamento estudantil, gerou mais restrições no programa do Governo, e isso dificultou ainda mais a vida universitária. Diante da situação que pode ser considerada como a primeira crise da Geração Y, a melhor saída para os estudantes é o crédito estudantil privado, oferecido por universidades renomadas.

CampusII FAJ
Foto:  Amauri da Rocha

Para o Professor e Diretor da FAJ (Faculdade Jaguariúna), Flávio Fernandes Pacetta, “na atual situação econômica que o país vive, o cidadão que deseja possuir uma graduação no ensino superior encontra-se em um cenário praticamente inacessível. Nós sabemos das dificuldades que essas pessoas passam quando desejam iniciar os estudos de uma faculdade e, foi pensando nas necessidades dessas pessoas que nós implantamos um financiamento privado”.

Na região de Campinas, por exemplo, o estudante que ingressar na própria FAJ ou na PUC CAMPINAS, contará com um tipo diferenciado de crédito para financiamento do curso de graduação. Na FAJ os alunos tem o CREDFAJ, já na PUCC, universidade que os estudantes já tiveram problemas com o FIES, têm a disposição o APLUB. São duas linhas de créditos parecidas. O aluno paga metade do valor da mensalidade sem juros, apenas com a correção da inflação. Após a conclusão da graduação, o aluno paga a outra metade do valor do curso.

14087155_1225399057491263_747361396_o
Foto: Renan Fernandes

Para o Felipe Rocha, 23, que cursa faculdade de Engenharia Civil, na FAJ,  “pagar o valor integral da faculdade dificulta muito. Só a mensalidade já é maior que meu salário, ai não dá pra sobreviver no restante do mês” destaca.

 

 

 

Editado por Aline Domingos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s