Gatos sofrem com problemas renais

Por Stephanie Franco

Saiba como identificar, tratar e prevenir a DCR, doença renal crônica.

IMG_0886
Gatos são os animais com a maior incidência de doenças renais (Foto: Stephanie Franco)

 

Segundo estudos sobre o assunto, a DRC, que é definida como “uma lesão renal, com perda progressiva e irreversível da função dos rins”, afeta um terço dos animais com mais de 15 anos. A idade é um dos fatores que mais aparece como causa nas pesquisas.

A DRC é diagnosticada por um veterinário a partir de exames laboratoriais, como o hemograma e o de urina. Quando a perda da função atinge mais de 75%, é considerada como insuficiência renal.

Sinais

Segundo Mariana Bardi, veterinária formada pela FESB, os primeiros sinais que o gato apresenta são sutis: “O gato pode apresentar dificuldade na micção, diminuição do apetite, apresentar mau hálito e prostração, que é um estado de abatimento grande, não reagindo às influências externas”.

Ela ainda afirma que, após o diagnóstico, a expectativa de vida de um animal com insuficiência renal não é das melhores. Porém, “o prognóstico está totalmente associado ao quão rápido foi o diagnóstico. Quanto antes ele começar o tratamento ideal, melhor será a qualidade de vida pós-diagnóstico.”

Um pequeno conta-gotas

IMG_4658
Oliver, em uma de suas consultas de retorno na veterinária (Foto: Stephanie Franco)

Oliver, um gato de 2 anos, começou a urinar pouco e de forma distribuída após uma cirurgia de castração. “Após a cirurgia, eu vi que ele ficou inquieto. Não parou de andar durante a noite toda, e sempre deixando um pingo de urina em cada local. Parecia um conta gotas.”, conta sua dona, Cristina Murer.

Após ela levar o gatinho à clínica onde foi feita a castração, a médica detectou o início da doença. “Foram feitos vários exames. No meio disso, a veterinária fez uma punção na bexiga dele, tirando duas seringas enormes com uma urina quase preta, de tão concentrada.”, a dona relata. “Nos resultados, foi diagnosticado o início da doença renal crônica, já que o Oliver nasceu com um rim menor que o outro.”

Depois de várias injeções, Oliver melhorou e hoje vive como se nada tivesse acontecido. “Ele brinca e vive normalmente. Mas os hábitos mudaram aqui em casa: a ração foi alterada, por orientação da veterinária. Hoje, compramos uma super-premium, especial para o tratamento do trato urinário”, Cristina afirma. “Já tínhamos uma fonte para a hidratação dos gatos, mas depois que descobrimos o problema do Oliver, os potes de água aumentaram”.

Dicas

13104716_1055831094503749_1561420729_n
A fonte de água automática chama atenção dos gatos (Crédito: Stephanie Franco)

Segundo especialistas, assim como os humanos, os gatos têm de ingerir pelo menos 20ml de água por dia. Porém os bichinhos não têm esse hábito, por preferirem água corrente. Assim, indica-se aos donos a compra de uma fonte, que mantém a água sempre corrente e atrai os bichanos.

Rações de melhor qualidade, especiais para o trato urinário, são uma boa opção também. Como os gatos são animais que não procuram água de forma externa, mas que metabolizam a presente nos alimentos, é essencial oferecer alimentos úmidos, como ração enlatada. Se a opção for por alimentos secos, uma boa alternativa é umidificar a porção com o caldo do atum em lata. Mariana confirma: “A melhor maneira de prevenir a doença renal em gatos é dar suporte nutricional adequado pra ele: nada de sachês cheios de sódio. O ideal são rações balanceadas, livres de gordura e sódio”.

Editado por: Bárbara Cintra

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s