O crime da Penha: exposição conta sobre fim trágico de Joaquim Firmino

Por Bárbara Cintra

É no Museu Histórico e Pedagógico “Comendador Virgolino de Oliveira”, em Itapira, interior de São Paulo, que está em cartaz a exposição “O crime da Penha: O assassinato que transformou uma cidade e assombrou gerações”, referente ao homicídio do antigo delegado Joaquim Firmino de Araújo, ocorrido em 11 de fevereiro de 1988.

Brutalmente assassinado por ser abolicionista e por acolher e  esconder escravos foragidos, Joaquim Firmino deixou documentos comprovando que embora apoiasse a libertação dos escravos, mantinha alguns como sua propriedade. Éric, curador da exposição, disse que infelizmente, ainda não encontraram nenhum tipo de documento que relatasse a relação de Joaquim com seus escravos.

Os 40 acusados desse crime foram levados a julgamento, mas nenhum foi sentenciado.

O caso gerou uma grande repercussão e levou, em 1890, a Câmara Municipal a iniciar um pedido de mudança no nome da então cidade “Penha do Rio do Peixe” para Itapira, na tentativa de ‘apagar’ a negra mancha do acontecimento.

Éric contou ao Digitais a importância de Joaquim Firmino e enfatizou o motivo do assassinado. Confira a entrevista:

No entanto, o assunto que tanto incomodou a população  só voltou à tona com o trabalho do pesquisador Jácomo Mandato no final dos anos 80 e, posteriormente em 2001, com o lançamento de seu livro “Joaquim Firmino – O mártir da abolição”. O avanço tecnológico também facilitou o aprofundamento das pesquisas e permitiu que o pesquisador encontrasse jornais e documentos da época.

Na mostra os visitantes encontram trechos do processo de pesquisa, depoimentos da esposa e da filha de Joaquim, que presenciaram o crime, e também o auto do corpo de delito. Além de documentos oficiais de compra e venda de escravos, atas referentes a mudança do nome da cidade e fotos, além dos famosos retratos feitos pelo desenhista italiano Ângelo Agostini para a Revista Ilustrada.

Bárbara Cintra
Na exposição os visitantes encontrarão depoimentos e documentos sobre o assassinato de Joaquim Firmino (Foto: Bárbara Cintra)
Bárbara Cintra
Auto do corpo de delito de Joaquim Firmino (Foto: Bárbara Cintra)
Bárbara Cintra
Depoimento de Julieta de Alvarenga Cunha, filha de Joaquim, que presenciou o assassinato (Foto: Bárbara Cintra)

A exposição segue até 13 de maio e as visitas podem ser realizadas de segunda à sexta, das 8h00 às 11h15 e das 13h00 às 17h15. Aos domingos, a mostra pode ser conferida das 8h30 às 11h30. Outras informações e agendamentos de escolas e grupos pelo telefone (19) 3863-0835.

CURIOSIDADES:

  • A delegacia da cidade de Itapira leva o nome de Joaquim Firmino de Araújo
  • Historiadores dizem que após a repercussão do assassinato de Joaquim, a Princesa Isabel foi pressionada a assinar a abolição da escravatura. Isso aconteceu três meses após o crimeEditado por Bianca Massafera

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s