Um sorriso do lado de cá

Por Joycy Cintra

São cinco da tarde de uma terça feira e ela já adianta “só posso até às seis e meia porque tenho outro compromisso, mas acho que dá tempo”. Depois de inúmeras mensagens trocadas por rede social e um aperto na agenda, o bate papo acontece por email mesmo. A comunicação esta na veia da jornalista Delma Medeiros, que ora conta os fatos, ora representa-os. A estréia na carreria jornalistica foi em 1980 na assessoria de imprensa da Cohab Campinas. De Lá para cá vários jornais entraram no corruculo: O Cromo, em Paulínia, a Tribuna Liberal, de Sumaré, Tribuna de Indaia, de Indaiatuba, Todo Dia, de Americana, O Momento, de Paulínia.

Mesmo amando cultura, o primeiro passo de sua trajetória no jornal Correio Popular foi a saúde, no ano de 2001. Esta que trouxe amizades para o currículo. Eva, Anna e Paula, as irmãs que carregavam o fardo de uma deficiência renal crônica, se juntaram ao pianista Bebeto Von Buttner, morto em 2014. Experiência que doeu mais que um mero personagem “Escrevi a matéria chorando, chorei ao falar com outros amigos sobre ele. Foi difícil, mas fiz questão de ser eu a fazer justamente pela relação afetiva”, explica sobre o amigo pessoal. E junto vieram tantos outros. O Centro infantil Boldrini foi sempre uma emoção a parte. As lágrimas que derramava estavam sempre escondidas atrás dos óculos escuros que carregava no rosto para disfarçar. Mesmo sabendo que não é de bom tom a um jornalista.

Mais envolvida com o teatro que com a faculdade. Foi assim, lá em 1977, que as carreiras começaram. Atrás do microfone, o Barracão Circo Teatro, o Palavra de Mulher e o Cine CPFL Cultura ganham destaque nas páginas do jornal de quinta feira. Mas quando o microfone muda de lado quem brilha é a Cumadre Maria, personagem cômica do filme O crime da cabra encenado por Delma, que afirma ter sido uma experiência fantástica “É cansativo, mas muito divertido, equipe amiga, bem humorada. Foi uma delícia”, conta delma-medeirosempolgada.

E foi essa cultura contagiante que trouxe também o marido. Doc Miranda líder da banda de reggae – Reggae Spirit que faz parte do roteiro da vida de Delma oficialmente desde 2011. E vieram junto os filhos dele. E outros. Porque Delma não tem filhos biológicos, mas é mãe de três! Um envolvimento amoroso foi à ponte para o amor maternal. E olhe só, na separação os três preferiram a mãedrasta. Que coisa, não.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s