Nem jornalista, nem poeta: mulher

Por Amanda Januzzi

Camila MarinsCamila Marins é jornalista, formada pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas em 2005, mas não por opção. Ainda no ensino médio o jornalismo a escolheu e a tomou com todas as forças, quando compreendeu que ser jornalista significa o exercício de uma função social em defesa dos direitos humanos. E foi assim que se iniciou sua luta pela igualdade, que hoje está aberta para todo mundo ver em seu blog, intitulado O Desbunde, onde procura externar o vazio que sente, suas dúvidas e indignação com injustiças. É também nesse espaço que Camila deixa fluir seu lado sentimental, quando se diz poeta. “Sou poeta. E gosto de lembrar Cecília Meireles: ‘Não sou alegre, nem triste. Sou poeta’”. Camila se transforma, então, em uma pluralidade de formas, narrativas e estéticas. Gosta de colocar jornalismo na poesia, e poesia no jornalismo. Transformando fatos em versos, encaixando cada palavra de acordo com seu olhar. E, a este olha, ela dá o nome de poesia, pois o olhar do jornalista, para Camila, é único e subjetivo, confronta com essa tal objetividade que nos obrigam a aprender.

Camila é mulher, negra e transfeminista, ou seja, acredita apenas no feminismo que inclui a pauta das transexuais. Como mulher sente que os paradigmas da sociedade a inferiorizam. Como negra já sofreu preconceitos, inclusive em momentos em que estava exercendo sua profissão. Como Camila, sua luta é por igualdade de direitos e oportunidades a negras e negros, mulheres, transexuais, homossexuais e por todas a pessoas oprimidas.

Como jornalista optou pela assessoria de imprensa, e adora. Exerce sua profissão no meio político, hoje é diretora do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro e não deixa de lutar. Aqui, a luta é pela valorização do jornalismo, pela informação de qualidade. Trabalhou com Jean Wyllys, porque se identificava com as causas pelas quais ele lutava. Camila tem, hoje, a certeza de que sua cidadania nunca terminou nas urnas, muito pelo contrário, apenas começou.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s