Universidade do Espírito Santo desenvolve aplicativo que rastreia comentários de racismo nas redes sociais

Por: Jaqueline Ramo

A pedido do Ministério das Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos, a Universidade Federal do Espírito Santo está desenvolvendo um aplicativo que monitora postagens de ódio, racismo e intolerância em redes sociais. Criado pelo Laboratório de Estudo em Imagem e Cibercultura, a criação da plataforma teve como motivo as ofensas racistas no perfil do Facebook da atriz Tais Araújo no dia 1° de novembro. O aplicativo será lançado até o final deste mês.

Taís Araújo foi uma das vítimas de racismo nas redes sociais Foto Notícias UOL/Reprodução

Mensagens violentas estão ganhando espaços nas redes sociais. Nos últimos três anos teve o aumento de 203% o número de páginas denunciadas à ONG Safernet. Segundo o jornal O Globo, ano passado foram 21.205 denúncias, da quais 11.004 estavam no Facebook, sendo esta a rede social com o maior aumento de números de perfil com mensagens violentas, alcançando 265% em três anos. Comentários racistas são a maioria das denúncias.

Em pesquisa do McAfee, os jovens acreditam que com redes sociais aumentou a agressão verbal. Sendo o Facebook responsável pela maior porcentagem: 92%. Segundo a Ong Safernet, que visa defender direitos humanos na internet, dos 2834 crianças e jovens entre 9 e 23 anos que responderam a pesquisa, em 2013 a maioria afirmou que agem na internet de um modo que normalmente não agiriam no cotidiano.

Untitled Report (4)
Foto Jaqueline Rodrigues

Desde 2006, quando começou a registrar os crimes de racismo na web, a organização contabilizou uma alta de 236% nas ocorrências. Houve um salto de 25.6 mil denúncias para 86.570, em 2014. Na média desses oito anos, o crescimento ficou na casa de 10% ao ano. O racismo ultrapassou a pornografia infantil como principal causa de denúncias.Em nove anos, a Safernet Brasil recebeu e processou 469.942 denúncias envolvendo 68.940 páginas, das quais 14.785 foram removidas.

Untitled Report (5)
Foto Jaqueline Rodrigues

Somente no Estado de São Paulo 36% das denúncias feitas por crime virtual 36% são Cyberbubullying .Tendo os comentários agressivos cada vez mais frequentes, a ONG Criolas lançou uma campanha na última semana, que visa trazer o comentários de racismo virtual para as ruas, tendo como slogan “Racismo virtual. As consequências são reais”. A campanha foi lançada em Americana (SP), Feira de Santana (BA), Recife (PE) e Vila Velha (ES). tendo como objetivo conscientizar sobre os danos que ofensas nas redes sociais podem causar.

foto divulgação
A campanha mostra o quanto ofensas virtuais podem ofender Foto Divulgação

Injuria Racial é crime, tendo como pena prevista de um a três anos, com direito a multa Injuriar seria ofender a dignidade ou o decoro utilizando elementos de raça, cor, etnia, religião, origem ou condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência

foto crédito: site clicrbs
foto crédito: site clicrbs

O site da ONG Safernet é um dos meios de denúncia para comentários racistas. Além de oferecer orientação com psicólogos para as vítimas.

Editado por Izabela Reame

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s