Campinas amplia combate à dengue

Crédito: Samuel Garbuio

Por Samuel Garbuio

O verão está chegando e ao entrarmos em um período de alta incidência da dengue, que vai de outubro a junho, surge o risco de um novo surto da doença para algumas cidades paulistas, já que em razão da crise muitos municípios reduziram o combate à dengue, com corte de equipes, redução de nebulização e exames de sangue.

Porém na contramão dessa tendência, Campinas está aumentando as ações de combate à dengue. De acordo com a Secretaria da Saúde, em agosto a Prefeitura de Campinas anunciou a contratação de 255 agentes, que vão reforçar o combate com visitas casa a casa.

Neste momento, além do contingente próprio, o município conta com um reforço de 62 homens da Superintendência de Controle de Endemias (Sucen) que atuam em campo nas ações de casa em casa fazendo nebulização, remoção de criadouros e ações de educação e informação sobre a doença.

A medida é necessária, já que a cidade ocupa a sexta posição entre os municípios paulistas com maior número de casos da doença no inverno. Foram 108 casos confirmados em Campinas para o período.

Além disso, um levantamento da Secretaria da Saúde aponta também a confirmação de mais quatro mortes de moradores da cidade. Os óbitos referem-se a casos registrados no período de pico da epidemia, entre fevereiro e maio. Com essas novas confirmações de mortes, o município acumulava neste ano até o dia 24 de setembro quinze óbitos por complicações da doença.

Crédito: Samuel Garbuio
Crédito: Samuel Garbuio

Em Campinas, o Distrito de Barão Geraldo tradicionalmente gera preocupações em razão da grande quantidades de casas que ficam desocupadas ou abandonadas com piscinas e vasos descobertos, além de mato alto nos quintais.

A moradora da região que reside próximo a Avenida Romeu Tórtima (Avenida I), Leda Lucia Oliveira Rodrigues, de 64 anos, teve dengue no início deste ano. “Contraí a doença não por situação particular da região onde moro, mas sim da falta de cidadania que se encontram algumas pessoas, que precisam ser conduzidas a mudar de comportamento para preservar a natureza e a cidade limpa e agradável”, afirma.

Para ela, a dengue é consequência da ação do ser humano, que com hábitos e costumes modernos, conscientes ou não, poluem o meio ambiente favorecendo a proliferação de insetos, que provocam várias doenças e epidemias. Ela acredita que é preciso haver maior conscientização das pessoas para “conservar o que se encontra em ordem e ajudar a construir o melhor para a sociedade”.

Cuidados básicos e medidas preventivas contra a dengue são fundamentais para que determinadas áreas e objetos não sirvam como possíveis criadouros para o mosquito Aedes aegypti, transmissor da doença. Queixas e denuncias podem ser realizadas via 156, no serviço de atendimento da administração municipal.

Editado por Mariana Dandara

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s