Grupo distribui comida vegana para pessoas em situação de rua em Campinas

Por Mariana Dandara

Neste sábado, 15/08/2015, a Organização Abolicionista pela Libertação Animal (OALA) reuniu-se com o objetivo de distribuir refeições veganas, isto é, livres de ingredientes de origem animal. Começando por um abrigo que mantém 19 homens de diferentes idades e terminando, à noite, no centro de Campinas, onde cerca de 150 pessoas em situação de rua foram alimentadas.

A ação, denominada Pratão Vegano, já está em sua terceira edição. Thiago Limeira, integrante da OALA, afirma que a ideia surgiu de uma mera fusão entre o interesse pelo veganismo e o desejo de ajudar as pessoas que estão vivendo na rua. Ele diz ainda que o uso de ingredientes veganos é de grande importância. “Se usássemos ingredientes de origem animal seria uma contradição, porque estaríamos lutando contra uma exploração, mas ao mesmo tempo incentivando outra exploração”, afirma ao se referir as formas de exploração as quais seres humanos e animais são submetidos.

Vegetais sendo cortados para a preparação do yakisoba vegano
Vegetais sendo cortados para a preparação do yakisoba vegano. Foto: divulgação OALA

O prato escolhido foi um yakisoba vegano. De acordo com uma das integrantes da OALA, Carol Atauri, a escolha “veio com a intenção de inovar, de oferecer um prato saboroso, nutritivo e também não tão comum em ações como essa”, que completa dizendo que o grupo busca oferecer para essas pessoas algo que eles gostariam de fazer para si mesmos.

Quando questionada a respeito da aceitação da culinária vegana pelas pessoas em situação de rua, Carol afirma que as pessoas costumam elogiar a comida, embora é provável que não tenham parado para pensar que se trata de um prato vegano.

Carlos Alberto de Sá, que vive em situação de rua
Carlos Alberto de Sá, que vive em situação de rua. Foto: Mariana Dandara

Carlos Alberto de Sá, que vive em situação de rua no centro de Campinas, mostra o outro lado da ação: o de quem a recebe. “É uma benção para a gente, porque ajuda a gente na parte da alimentação”, e em seguida complementa dizendo que a doação de alimentos é frequente. Ao ser perguntado sobre sua preferência por receber pratos diferentes do que costuma ganhar, ele diz que não tem escolha. “O que vier, eu agradeço. E o pessoal que vem trazer comida, já faz um esforço, então a gente não tem direito de escolher”, completa.

Editado por Carolina Neves

2 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s