70 mil pessoas reúnem-se em ato contra o governo em Campinas

Por Vicente Brassoloto e Tácila Faria

Manifestantes reuniram-se na tarde de domingo (16/08/2015), para um novo ato contra o governo da presidente Dilma Rousseff. A concentração começou por volta das 13h30, em frente à Catedral Metropolitana de Campinas. Os manifestantes seguiram pelas avenidas Francisco Glicério e Moraes Salles rumo ao Centro de Convivência onde o protesto se encerrou por volta das 16h30. De acordo com a organização do evento, 70 mil pessoas participaram do ato. O comando da Polícia Militar contabilizou 15 mil manifestantes.

Vestidos de verde e amarelo e com cartazes e faixas, manifestantes gritaram “Fora Dilma, fora PT!”, pedindo o impeachment da presidente, apoiavam a Operação Lava Jato e que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não retorne ao poder. Entre eles havia um grupo que pedia a intervenção militar constitucional. A manifestação foi considerada pacífica pela Polícia Militar.

O Tenente Costa esclarece para o Digitais como funciona a operação da Polícia Militar nesses tipos de eventos. Confira:

Até a última quinta-feira (13/08/2015), o local de concentração seria o Largo do Rosário. Devido às obras de revitalização da Avenida Francisco Glicério, a Polícia Militar – por questão de segurança – sugeriu que os organizadores mudassem o ponto de encontro para a Catedral Metropolitana de Campinas.

Pelo menos três grupos organizaram, em Campinas, eventos no Facebook: o “Movimento Muda Campinas”; o movimento “Vem pra Rua Campinas”, e o “Vem pra Rua Campinas Megamanifestação”.

Os pedidos de mudança

Para o porta voz e coordenador da organização do movimento “Vem pra Rua Campinas”, o sucesso de público da manifestação se deu pelo grau de insatisfação da população com o governo Dilma. “São três pautas: apoio total a ‘Operação Lava-Jato’, ‘impeachment da presidente Dilma’ e ‘Lula, nunca mais’, afirma Ronald Tanimotto.

Lucas Trevisan, porta voz do Movimento Brasil Livre (MBL), afirma que Campinas sempre foi um centro político formador de opinião. “Nós temos uma influência muito grande, não só na região, mas no Estado e no Brasil. Campinas vai levar essa força para se juntar à do Brasil e, com certeza, amanhã nós esperamos que o impeachment seja colocado na mesa”, conclui.

Durante o trajeto as avenidas permaneceram parcialmente interditadas. Por esse motivo, a Guarda Municipal, a Polícia Militar e os agentes de trânsito da Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (EMDEC) acompanharam todo o caminho percorrido.

Às 16h, os manifestantes começaram a chegar ao Centro de Convivência e prepararam-se para cantar o Hino Nacional, que encerraria a manifestação. Após o Hino, as pessoas se dispersaram e os organizadores do movimento comemoravam ao contabilizar a presença de, aproximadamente, 70 mil manifestantes. A Polícia Militar informou um número bem abaixo. Segundo a corporação, participaram do ato em Campinas, 15 mil manifestantes.

Confira o vídeo da reportagem abaixo:

Histórico das Manifestações

Quantidade de manifestantes em atos passados contra o governo. Arte de: Vicente Brassoloto
Quantidade de manifestantes em atos passados contra o governo (Arte: Vicente Brassoloto)
As últimas manifestações registradas em Campinas (SP) contra o governo da presidente Dilma Rousseff, foram realizadas nos dias 15 de março e 12 de abril. No dia 15, segundo a Polícia Militar 4 mil pessoas se concentraram no Largo do Rosário e no centro da cidade, em um protesto contra a alta de impostos. No mesmo dia, a organização do evento apontou 7 mil pessoas.

Na manifestação do dia 12 de abril, de acordo com a PM, 10 mil pessoas estiveram nesse ato. Já os organizadores contabilizaram 40 mil. Nesse dia, os manifestantes pediram o impeachment da presidente Dilma, redução nos preços dos combustíveis e o fim da corrupção na Petrobrás e no país.

Dilma atinge pior índice de reprovação

Imagem matéria Datafolha
Manifestante traz eu seu cartaz pesquisa do Datafolha com queda da popularidade do governo Dilma Rousseff (Foto: Vicente Brassoloto)
Segundo pesquisa realizada pelo Datafolha entre os dias 4 e 5 de agosto de 2015, o governo de Dilma Rousseff (PT), atingiu o patamar mais alto de reprovação (71%) desde sua posse em 2011. Comparado ao mês passado, o índice de rejeição avançou seis pontos (era 65%), enquanto a taxa de aprovação oscilou de 10% para 8%. Atualmente, 20% dos entrevistados consideram o governo regular, ante 24% em junho.

Ainda segundo o instituto, o índice de rejeição da presidente Dilma a classifica como a governante mais impopular desde setembro dos anos de 1992 e 1989, quando respectivamente, os presidentes Fernando Collor e José Sarney atingiam 68% de reprovação.

Infográfico Matéria Datafolha
Índice de avaliação do governo Dilma (Arte: Vicente Brassoloto)
Galeria de Fotos:

(Créditos Vicente Brassoloto)

Este slideshow necessita de JavaScript.

Editado por Débora Lopes e Carolina Neves

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s