Parto domiciliar, uma opção para gestantes que rejeitam a cesárea e preferem o aconchego do lar

shutterstock_105909311
Mulheres recorrem ao conforto de casa para terem seus filhos (Foto: ShutterStock)

Por Priscila Marques

O Brasil é o país que mais realiza cesáreas, de acordo com Agência Nacional de Saúde (ANS), as taxas chegam a 84% no sistema privado e a 40% no SUS – porém, o recomendado pela OMS é 15%.

Para o médico Jorge Kuhn, professor do departamento de Obstetrícia da Escola Paulista de Medicina da Unifesp, a falta de conhecimento da gestante das reais indicações da cesárea é o que a leva para o centro cirúrgico.

“A maioria das cesáreas no sistema privado é realizada antes da mulher entrar em trabalho de parto. Mais de 90% são marcadas de maneira eletiva, com hora agendada. São poucas as realizadas com uma real indicação. No mundo todo, as indicações da cirurgia são identificadas somente durante o trabalho de parto”, explica o médico.

Assim como qualquer cirurgia, uma cesárea acarreta riscos imediatos e a longo prazo, por isso ela não pode ser a primeira opção da gestante, como defende Ana Cristina Duarte, obstetra e palestrante na área de Humanização da Assistência ao Parto: “A cesariana é necessária em várias situações e ela pode salvar vidas. Mas numa cesariana marcada, eletiva, independentemente das razões, não se iluda: não há circulação da ocitocina, o hormônio que ainda se mostrará ser responsável por todas as formas e manifestações de amor que atravessamos na vida”, afirma.

Contudo, quando acontece parto normal não significa que não haja intervenções médicas. Se a mulher sente dores intensas, a anestesia é aplicada, e para acelerar o parto, são administrados hormônios. Por outro lado, no parto natural, o papel do médico se resume a acompanhar o parto, e não induzi-lo.

Nascendo em casa

Entretanto, outros métodos têm ganhado espaço e o que antes parecia ser cena de novela e restrito à mulheres de classe alta, tem acontecido com mais frequência nas casas das brasileiras: o parto domiciliar.

Apesar de o Conselho Federal de Medicina considerar mais seguro o parto realizado no hospital, enfermeiros e obstetras são legalmente habilitados para assistir partos em casa.

E essa foi a escolha da jovem Jacqueline Ferreira, em sua primeira gravidez, aos 25 anos: “Pesquisei muito para saber os prós e os contras. Mas como eu tive uma gravidez saudável, pude escolher o parto domiciliar”, afirma.

10931043_716395181810159_1404287117173781677_n
Nascimento da pequena Alice em parto domiciliar (Foto: Larissa Amaral)

Na busca por profissionais habilitados, Jacqueline encontrou uma empresa que oferecia, além das obstetras, o serviço de uma acompanhante para confortá-la emocionalmente: “Optei por apenas duas enfermeiras obstetras, Ellen Rauber e Regina Scarpa, e também pela doula Thamires Manoela. Desde o primeiro encontro elas me trataram muito bem, sempre explicando todos os procedimentos, tirando todas as minhas dúvidas e me trazendo todo conforto do mundo”, relembra.

11069386_859483287443343_3854002442779621742_n
Alice já está com 6 meses (Foto: Cedida)

Diferentemente do ambiente do hospital, uma das maiores vantagens do parto domiciliar é o aconchego do próprio lar. É nesse lugar já conhecido que a mulher se prepara para esse dia tão especial: “Preparei uma trilha sonora para o grande dia, imaginei tudo nos mínimos detalhes”, descreve.

A participação dos familiares é outra ponto positivo, como relembra Jacqueline: “Só sei que estar em casa, com as pessoas que amo, com meu marido fazendo parte daquele momento comigo, meus familiares me apoiando em silêncio, fez tudo ser delicioso. Foi assim, entre uma força e outra, ela nasceu, minha Alice, cabeludinha”.

De uma coisa Jacqueline tem certeza: “Foi a melhor escolha que fiz para a chegada da minha princesa, foi a melhor experiência da minha vida,” afirma, emocionada.

Quem é a Doula?

A palavra “doula” vem do grego “mulher que serve”. Mas hoje aplica-se às mulheres que dão suporte físico e emocional a outras mulheres antes, durante e após o parto. É essa acompanhante que tem como objetivo cuidar do bem-estar físico e emocional da gestante. Além disso, é ela quem orienta o casal sobre o que esperar do parto e pós-parto, contudo, a doula não executa qualquer procedimento médico, não faz exames, não cuida da saúde do recém-nascido.

Veja abaixo o vídeo que mostra como foi a chegada da Alice na casa de Jacqueline:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s