Integrante do Cirque du Soleil participa de Seminário da Unicamp

Por Sérgio Moreira Jr.

Emmanuel Bochud, assessor do Cirque du Soleil. Ao fundo, a pintura na sede do Circo, no Canadá, que se refere a uma brasileira fazendo malabarismo.
Emmanuel Bochud, assessor do Cirque du Soleil, conta experiência na Mongólia (Crédito: Sérgio Moreira)

Você já ouviu falar em Circo Social? A discussão acerca desse conceito, academicamente recente, mas já praticado no mundo todo desde a década de 90, conduziu, nessa segunda-feira (9), o seminário “A evolução, mudanças e desafios do Circo Social na América Latina nos últimos 10 anos e sua interface com as artes circenses”.

O evento ocorrido no auditório da Faculdade de Educação (FE) da Unicamp teve como idealizadores Marco Bortoleto, coordenador do programa Circus e professor de Educação Física da Unicamp e a rede Circo do Mundo, que articula 20 organizações de todo o país em torno do conceito e da metodologia do circo social.

Zezo Oliveira, ex-diretor da Escola Nacional de Circo da Funarte-RJ e atual assessor da Secretaria da Cultura do Estado de Pernambuco/Fundarte, Maneco Maracá, integrante da rede Circo do Mundo-GO e Emmanuel Bochud, assessor do Cirque du Soleil (Canadá) para formação de Circo Social, integraram a mesa de discussão e apontaram a importância que existe em formar não só tecnicamente, mas também socialmente os alunos de circo.

O Brasil é referência na atuação e na metodologia de Circo Social ao redor no mundo. Segundo Zezo, a prática do circo social é múltipla e se adapta às carências das áreas de atuação. Quando a Escola Pernambucana implantou em Recife o conceito de Circo Social, as crianças que moravam nas ruas, usavam drogas e realizavam furtos pela região da Escola se integraram à arte e muitos saíram de lá com profissão.

Mesa composta por (da esquerda para a direita): Mariano-tradutor; Emmanuel Bochud-Cirque du Soleil; Maneco Maracá-Circo do Mundo Brasil; Fátima Pontes-Circo Mundo Brasil; Zezo Oliveira-Sec. Cultura RE; Marco Bortoleto-idealizador.
Mesa composta por (da esquerda para a direita): Mariano-tradutor, Emmanuel Bochud, Maneco Maracá, Fátima Pontes, Zezo Oliveira e Marco Bortoleto (Crédito: Sérgio Moreira)

O que buscam os atuantes do Circo Social é dar para as crianças a permissão de sonhar, um mundo mais inclusivo, e para que isso ocorra são necessárias não só aulas práticas, mas também discussões dia-a-dia. Para Fatima Pontes, integrante da rede Circo do Mundo, as “rodas”, como ela costuma chamar as conversas com os alunos, são mais importantes que as aulas, pois é possível passar noções de cidadania, respeito e política.

Essencialmente de esquerda, o teor político de Circo Social foi discutido mais a fundo quando se pronunciou Emmanuel Bochud, representante do Cirque du Soleil – empresa circense que mais arrecada no mundo. Ele admitiu estar numa empresa capitalista, com setores de marketing e financeiro gigantes, mas ressaltou a responsabilidade social para com os mais necessitados. “Atuamos com o Circo Social na Mongólia, mesmo nunca tendo o Cirque de Soleil pisado naquele país, ajudamos várias comunidades por lá”, disse Emmanuel Bochud.

Editado por Jaqueline Zanoveli

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s