Filmes para refletir sobre Consciência Negra

Por Jacqueline Fernandes

10441024_765298156861528_3448884754215296477_nQuando vamos ao cinema ou procuramos um filme para assistir na TV é comum nos depararmos com os excessivos roteiros hollywoodianos. Uma das características desse cinema é a homogeneização visual, ou seja, os atores são esteticamente parecidos entre si. Limitando a participação de atores negros nas telonas. Outro problema é a abordagem feita do negro nos filmes. Na maioria das vezes ele é representado de um modo estereotipado. Ainda seguindo os anos de escravidão nos quais foram obrigados a passar. Mesmo que abolida há tanto tempo, a prática deixou cicatrizes profundas e resulta na desigualdade racial vista em qualquer país que passou pela escravidão. O século XX foi repleto de líderes e movimentos que tentaram superar o problema, e a luta até hoje é tema de diversos filmes. Veja uma lista com alguns deles a seguir.

O sol é para todos (1962)

25a58649211bb0fd407a966d63b6699121ee3c8e
Filme ganhou Oscar de melhor roteiro (Crédito: Divulgação)

Uma maravilhosa adaptação para o cinema do romance de Harper Lee ganhador do Pulitzer. O filme dá uma verdadeira lição de moral em relação ao preconceito racial contra os negros, perfeitamente cabível nos anos 60, e mostra um dos personagens mais moralmente corajosos do cinema: o advogado Atticus Finch, que defende um negro acusado injustamente por um assassinato. É impressionante como o roteiro traz para a tela detalhes aparentemente irrelevantes junto com sequências comoventes e imprescindíveis. Há neste filme uma das cenas mais tocantes que eu já assisti no cinema, no momento em que os negros, postados na parte superior da sala do tribunal, se levantam em sinal de respeito e um deles fala para a filha do personagem de Gregory Pack que estava ao seu lado: “levante-se porque o seu pai vai passar”. Um filme de uma sensibilidade extraordinária, bem realçada pela trilha sonora de Elmer Bernstein e pela fotografia.

A cor púrpura (1985)

A-Cor-Púrpura
Atriz Whoopi Goldberg foi indicada ao Oscar (Crédito: Divulgação)

A história é sobre uma mulher negra nascida no começo do século passado nos Estados Unidos. Muito jovem, acaba grávida de seu próprio pai, que, mais tarde, a casará com um homem que a humilha. Assim, continua sua difícil existência, durante muitos anos, até que a chegada de uma mulher mudará sua vida. Baseado no livro de Alice Walker, é o primeiro filme sério e denso de Spielberg revela sua competência em abordar um tema tão distante de sua realidade sem se perder ou parecer despreparado. Whoopi Goldberg, Margaret Avery e Oprah estão inesquecíveis.

Faça a coisa certa (1989)

do-the-right-thing-1989-02-g
Filme marcou história do cinema negro americano (Crédito: Divulgação)

Baseando-se num caso real, este filme trata com bastante coragem os problemas raciais dos EUA dos anos 80, mais precisamente com foco em Nova York (Brooklyn). Polemiza muito mais do que sugere soluções, com muitas cenas de confusão explícita. A palavra “fuck” foi usada 240 vezes ao longo de todo o filme. Indicado para a Palma de Ouro e para dois Oscars, acabou ganhando alguns prêmios menores. Com um enredo recheado de diálogos curtos e cortantes, ótimas interpretações e uma fotografia bem estilizada. Este foi o filme de estreia de Martin Lawrence. O título do filme veio de uma famosa frase de Malcolm X: “You’ve got to do the right thing” (Você tem que fazer a coisa certa). Um dos melhores filmes de Spike Lee.

Malcom X (1992)

malcolm
Denzel Washington ganhou Oscar de melhor ator pelo filme (Crédito: Divulgação)

Biografia do famoso líder afro-americano que teve o pai, um pastor, assassinado pela Klu Klux Klan e sua mãe internada por insanidade. Ele foi um malandro de rua e enquanto esteve preso descobriu o islamismo. Spike Lee definiu Malcolm X como “o filme que eu nasci para fazer” e Denzel Washington se referiu ao líder negro como “o papel de uma vida inteira”. Ambos estão certos.

Indicações de Manoel Lopes Neto – Crítica Livre de Cinema

Untitled Infographic (1)
Cinema negro no Brasil (Crédito: Jacqueline Fernandes)

 Editado por Luana Freire

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s