Interesse por navegação anônima cresce na internet

por Nathani Mota

logotor
O logo da cebola. Tor Project defende a anonimidade na internet contra vigilância invasiva dos governos. (Créditos: Divulgação / Creative Commons Attribution)

Provavelmente, você está lendo essa notícia usando os navegadores Google Chrome, Firefox ou até mesmo Internet Explorer. Porém, as pessoas mais preocupadas com a vigilância e espionagem online devem estar lendo essa notícia usando o navegador Tor, ferramenta para navegar na web de forma anônima.

Tor é uma sigla para “The Onion Router”, que poderia ser traduzido como “o roteador cebola”. A ferramenta permite rotear o tráfego na web através de diversos computadores da rede Tor para a parte do outro lado da conexão não conseguir rastrear o tráfego de volta até você. O software funciona como uma cebola criando séries de camadas para esconder a sua identidade do resto do mundo. Desta forma, quanto mais usuários usam o software, mais protegida é a sua informação. (Confira como funciona no infográfico abaixo).

O Caminho da Cebola. O Tor Project protege sua identidade criando camadas entre o seu computador e o servidor do site acessado. (Crédito: Nathani Mota)

Atualmente, o sofware é utilizado de forma constante por uma média de 2,6 milhões de usuários situados em todas as partes do mundo que utilizam-o para impedir que sites rastreiam sua atividade online.

Mas apesar do Tor Project defender que pessoas comuns usam a ferramenta para se proteger, o software é conhecido por ser a principal porta de entrada para o lado obscuro da internet, chamado de deep web ou Internet2, onde fóruns sobre canibalismo e necrofilia são situações comuns.

Por isso, o Prof. Dr. Anderson Rocha, do Instituto de Computação (IC) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) alerta que a sensação de anonimidade pode ser perigosa, porque da mesma maneira que você navega anonimamente, outras pessoas utilizam dessa situação para a prática de crimes. “Você pode ter um pouco mais de anonimidade, mas como não é uma internet regulada você pode ter vários problemas depois”, afirma.

Independente da fama sangrenta, os downloads do software duplicaram no último ano e alcançaram a marca de 150 milhões. Rocha acredita que as revelações feitas por Edward Snowden sobre a vigilância global feita pelo Governo dos Estados Unidos em 2013 refletiu diretamente na popularização do Tor, “manifestações desse tipo criam uma consciência coletiva a respeito de vários aspectos que a população não tem ciência”, explica.

Dessa forma, aplicativos que garantem comunicação anônima entre os usuários também se proliferaram, como o Whisper criado em 2012, o Yik Yak e Secret, criados em 2013. Mas o Professor da Unicamp defende que as responsabilidades dos indivíduos também devem se estender ao universo anônimo, “o Estado tem que garantir o seu direito de privacidade e liberdade online, mas o direito de se manisfestar termina quando eu agrido o direito do outro”. O aplicativo Secret, por exemplo, já foi proibido nas lojas de aplicativos brasileiras pela Justiça do Espírito Santo por causa dos casos de bullying online.

 

Editado por Priscilla Geremias

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s