Casos de intoxicação alimentar aumentam 122%

Por Ana Luiza Sesti

Uma recente pesquisa realizada pelo Hospital do Coração, de São Paulo, levantou que o número de pacientes atendidos com intoxicação alimentar entre os anos de 2009 e 2013 cresceu em 122%. Isso significa que de 280 casos de intoxicação, o hospital registrou um aumento para 624 casos, a cada ano.

O responsável pela pesquisa, o cardiologista e nutrólogo do Hospital do Coração, Daniel Magnoni, explica que isso decorre devido às pessoas estarem comendo cada vez mais fora de casa. A distância entre o trabalho e a casa, a falta de tempo e a grande oferta de restaurantes são alguns fatores que justificam os casos. E foi o que aconteceu com a estudante Gabriela Paganotto.

Ela estagia em uma empresa de Campinas durante o dia, faz faculdade na mesma cidade no período noturno e ao fim da noite volta para a cidade em que reside, Itatiba.  “Eu fui almoçar num restaurante e comi uma comida que tinha molho vermelho, queijo e acho que algum ingrediente não estava bem preparado e ingeri alguma bactéria. Passei muito mal”, conta Gabriela que saiu para almoçar durante o trabalho.

IMG_5615 essa
Gabriela Paganotto ficou a base de água e frutas no período em que teve intoxicação alimentar (Crédito: Ana Luiza Sesti)

Segundo o cirurgião do aparelho digestivo do Instituto Pró-Gastro de Campinas, Gustavo Sevá Pereira, a intoxicação alimentar “é um problema de saúde causado pela ingestão de alimentos ou líquidos contaminados por bactéria, fungos, vírus ou produtos químicos”. Após ingerir o alimento contaminado o organismo não demora em dar os primeiros sintomas da intoxicação e a doença permanece no corpo com exaustão por 4 a 5 dias e cessa completamente em até 14 dias.

“Eu fiquei ruim uns 3 ou 4 dias, sem conseguir comer direito, eu comia fruta mas logo já ficava enjoada, já passava mal. Fiquei uns 4 dias assim e ai foi gradativo, eu fui conseguir comer uma fruta, ai depois comer uma comida mais leve, até normalizar minha alimentação”, explica Gabriela, que procurou um médico para orientá-la, o que é fundamental para o diagnóstico do problema.

“Como os sintomas de intoxicação alimentar são comuns a muitas doenças, é necessário que o médico faça a avaliação e diagnóstico diferencial. A única recomendação que pode ser dada para que seja feita em casa é realmente a utilização de muitos líquidos”, explica Doutor Gustavo. Além desta recomendação, é fundamental conhecer o ambiente em que se come e saber a procedência dos alimentos.

Untitled Infographic (2)
(Crédito: Ana Luiza Sesti)

Ainda segundo Seva “é necessário que se entenda que só a manutenção da limpeza de mãos e utensílios é suficiente para resolver boa parte dos riscos de intoxicação, no entanto, a ingestão de alimentos contaminados muitas vezes é difícil de ser evitada, já que pode não haver qualquer sinal de mudança do gosto, cheiro ou textura desses alimentos. Por isso é preciso higienizar os vegetais adequadamente com hipoclorito antes de comer e evitar latas e vidros com as tampos estufadas”.

E para quem não teve contato com a intoxicação alimentar fica a orientação de quem já enfrentou a doença. “Tomar cuidado com o lugar que você come, porque comer em lugares diferentes e coisas diferentes é perigoso. Você nunca sabe como é o preparo num restaurante, você não sabe atrás da parede do restaurante se é bem feito, então tomar muito cuidado e quando for comer na rua procurar comer comida leve, coisa que você pode evitar ao máximo ter esse tipo de reserva”, explica Gabriela.

 

Editado por Nathani Mota

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s