Você sabia que é possível criar um aplicativo sem formação na área?

Aluna usando aplicativos na sala de aula/ Crédito: Ales Gabriel
Aluna usando aplicativos na sala de aula/ Crédito: Alef Gabriel

Por Alef Gabriel

Recentemente algo chamou atenção em Nova Iorque. Uma mãe insatisfeita e cansada de ser ignorada pelos filhos criou um aplicativo para celular, o qual bloqueia o uso dos smartphones até que eles retornem sua ligação. A norte-americana Sharon Standifird, criou então o Ignore no More (“Não ignore mais”), disponível para Android na Google Play. Ele é pago (cerca de R$4,50) e infelizmente ainda não pode ser baixado no Brasil.

A estadunidense afirmou que não tinha experiencia prévia em programação – teve de pesquisar sozinha e com a ajuda da internet conseguiu realizar o aplicativo. Isto é, hoje em dia a internet possibilita através de vídeo-aulas, tutorais, meios de auto-aprendizagem, a criação do seu próprio aplicativo.

App Ignore no More/ Crédito: Reprodução
App Ignore no More/ Crédito: Reprodução

Em Campinas, também encontramos exemplos como esse. Prova disso são os universitários Daniel Washington Ignácio, 28, que cursa matemática aplicada na Unicamp, e Ryan Bussi, 22, formado em Publicidade e Propaganda pela PUC-Campinas, que juntos criaram e programaram um game para smartphone, chamado Where is Max, disponível para Android aqui.

O diretor de arte Ryan realizou a parte de criação e arte do aplicativo. Ele conta que durante seu curso não teve contato com essa área de smartphones e sentiu esse déficit quando começaram a criação do app. “Não tive nenhum contato com web ou app, então tive que pesquisar bastante pra entender o processo. O bom é que eu sempre gostei desta área então já tinha algumas referencias boas na minha cabeça, a dificuldade foi mesmo na hora de por a mão na massa, pois até aquele momento não tinha feito nada parecido”, diz Ryan. Ele afirma que teve de pesquisar na internet a arte pertinente a esta plataforma e continua dizendo que tudo começou com a ideia de apenas criar um jogo simples, mas que depois que os amigos se aprofundaram no assunto, a vontade de melhorar e aprimorar foi maior. “Foi bem legal ver o jogo sendo desenvolvido, ficamos super satisfeitos com o resultado”, conta o publicitário.

O co-criador Daniel, que fez a parte de programação, conta que não tinha muito tempo para fazer as coisas que ele realmente queria fazer, dividido entre faculdade e estágio. “Os aplicativos começaram a crescer e eu vi nos aplicativos que poderia ter essa independência de fazer as coisas do meu jeito , ter minhas ideias, seguir com meu pensamento”, diz o estudante de Matemática. Daniel foi se interessando cada vez mais por esse mundo dos apps e sua vontade de expor suas ideias se tornou cada vez maior.

Ele relata como foi o processo de aprendizado até chegar o produto final: primeiro ele pesquisou e encontrou uma espécie de curso gratuito, no Itunes, da Universidade de Stanford dos Estados Unidos. Um problema recorrente para Daniel foi a barreira da língua, já quase nada sobre criação de apps existe em português. O criador diz que agora tem noções melhores de programação, mas que antes era bem complicado. Vale lembrar que um game como aplicativo requer mais detalhes e algumas dificuldades que outro aplicativos comuns  não exigiriam. “Encontrei muita coisa no Youtube e em fóruns, e foi pesquisando e fuçando que aprendi a linguagem de programação”, conta Daniel.

Tela inicial do jogo Where is Max/ Crédito: Reprodução
Tela inicial do jogo Where is Max/ Crédito: Reprodução

Where is Max foi lançado dia 25 de agosto 2014 e demorou cerca de 1 mês para ser finalizado. Hoje em dia é possível encontrar tutoriais das principais lojas de aplicativos, que ajudam o usuário a criar seu próprio app, ou seja, tudo ficou muito mais fácil e didático. Quando questionado sobre qualquer pessoa poder criar um aplicativo, Daniel é otimista: “Sim, acredito que esta mais fácil e acessível , eu sou um exemplo de que se você quer aprender algo a internet tá aí, eu aprendi tudo usando a internet basicamente”. O criador dá algumas dicas para quem quer iniciar seu proprio app: “Ter um inglês bom ajuda, uma noção de programação básica pode adiantar muito nesse trabalho e os videos no Youtube também são uma ótima opção para recorrer em tutoriais”. Dito isso, ele ainda confirma que vai continuar fazendo seus apps com o publicitário Ryan Bussi, e que já esta montando uma estratégia para este “hobby” render financeiramente.

Editado por Paula Fonseca

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s