“Homem Comum” marca abertura do festival “É Tudo Verdade”

Foto: Natália Mitie
Abertura do “É Tudo Verdade”, com Mário Mazzilli (gerente geral da CPFL Cultura), Amir Labaki, (diretor e fundador do festival) e Carlos Nader, (vencedor da competição brasileira)

 

 

Por Natália Mitie

Nesta terça-feira, 22, cerca de cinquenta pessoas estiveram presentes na abertura do “É Tudo Verdade – Festival Internacional de Documentários”, na CPFL Cultura.

Há quase duas décadas o festival apresenta uma “janela nobre anual para os mais importantes títulos da novíssima safra de documentários brasileiros e internacionais”, explica Amir Labaki, fundador e diretor do festival.

Vencedor da mostra competitiva brasileira do festival, “Homem Comum” marcou a abertura do “É Tudo Verdade”. “Um filme que carrega um frescor formal, combinado com algo que nem sempre caminha junto com a sensibilidade estética, a sensibilidade humana”, descreve Labaki.

Carlos Nader, cineasta e diretor do filme, também esteve presente e expressou sua gratidão pelo prêmio, que para ele carrega “um valor que decorre do valor financeiro”. É um filme que retrata relações improváveis, a ideia é relacionar coisas que não são relacionáveis. “Não é um filme fácil, vejo no final do filme, quem gosta e quem não gosta”, afirma Nader.

Com modéstia, Nader expressa sua admiração pelo filme. “O filme não sou eu, o filme é filho, se a gente não ama, quem vai amar?”, diz.

 

Editado por Bruno Machado

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s