Maluco Beleza completa 11 anos com programa comemorativo

Por Marina Di Nardo

Neste mês de maio, o programa de rádio Maluco Beleza, que vai ao ar pela Rádio Educativa (FM 101,9), completa 11 anos de existência e irá transmitir um programa comemorativo no dia 06/6, quarta-feira, às 10h, que será reprisado às 22h.

Organizado e produzido por usuários da saúde mental e por pessoas da comunidade dentro do Serviço de Saúde Cândido Ferreira, o programa é um ponto de cultura reconhecido pelo Ministério da Cultura.

Maluco Beleza
O programa Maluco Beleza é também um ponto de cultura desde 2008

Antes do surgimento, os usuários da saúde mental do Cândido Ferreira já faziam experimentos na Rádio Muda da Unicamp, mas apenas esporadicamente. Em 2002, a Rádio Educativa da Prefeitura Municipal de Campinas fez o convite e o jornalista Reginaldo Moreira, 45 anos, desenvolveu o projeto que desmistificasse a loucura. O programa Maluco Beleza nasceu no dia 10 de maio de 2002 e até os dias de hoje é uma rádio eletrônica, na qual são mostrados pontos de vistas sobre diversas realidades.

No início, apenas os usuários que eram diagnosticados com algum distúrbio mental podiam participar dos programas, no entanto, isso mudou em 2008. A partir desse ano o programa se abriu para a comunidade e se tornou um ponto de cultura. Hoje quem participa do programa, não precisa estar em tratamento, basta querer se envolver.

O programa Maluco Beleza tem uma hora de duração e vai ao ar toda primeira quarta-feira do mês às 10 horas, reprisando às 22 horas. Ele passa por um processo de preparação durante todo o mês, já que não é transmitido ao vivo. Os encontros acontecem toda quinta-feira: na primeira do mês, há a escolha de pauta, nas quais os participantes sugerem e votam democraticamente como será o programa; na segunda, fazem a escolha das músicas que tenham similaridade com os temas abordados; na terceira, gravam o programa e na quarta discutem o programa para deixar ele com uma hora de duração.

No histórico desses 11 anos, quatro programas não foram ao ar por não estarem adequados editorialmente. Devido a essa limitação editorial, em 2000, foi criada a Rádio Online, onde puderam ter mais liberdade para tratar de variados assunto. “Nesse espaço, todos podem se expressar e fazer o programa que quiser. Só não permitimos que eles tenham um viés político-partidário, religioso ou pornográfico”, afirmou o coordenador. A Rádio Online permanece em atividade durante 24 horas pelo site do Serviço de Saúde.

Reginaldo Moreira e Luciano Lira a
Reginaldo Moreira conversa com Luciano Lira antes de começar a gravação

Para Moreira, o Maluco Beleza muda a identidade de quem começa a participar. “Quando chegam aqui, a maioria se apresenta como vítima. Mas depois de virar locutor, tudo muda. Eles passam a se apresentar como locutores para o mundo e se reconhecem como tal”, afirma. Ele ainda acredita que o programa criou o que ele chama de “celeiro de militantes”, pois acabam virando representantes de outras pessoas e exercitam a sua cidadania se colocando diante da vida.

O coordenador conta que quando chegam novos membros para participar rádio, ele não se preocupa em saber se a pessoa tem alguma doença mental ou não.“A minha maior preocupação é com a reinserção social, com o reconhecimento público ecom a cidadania por meio da defesa dos direitos humanos. Por meio de testemunhos, posso atestar ainda que rádio é saúde, pois contribui como um cuidado alternativo complementar, apresentando efeitos terapeutizantes”, concluiu.

Luciano Marques Lira, 38 anos, integra o programa Maluco Beleza desde o início. Diagnosticado com esquizofrenia, Lira possuía mania de perseguição e costumava ouvir vozes. “Eu quebrava tudo em casa, era nervoso e agredia minha mãe”. Devido às crises recorrentes, já esteve internado em um manicômio, que hoje já não existe mais. “Lá eu entrei ruim e saí pior”, afirma. Com a ajuda do remédio e do Maluco Beleza, ele acredita que melhorou muita a sua saúde. “Há 11 anos não passo por nenhuma crise”, conta.

Fernando Martins, 39 anos, está no Maluco Beleza há dois anos e possui uma deficiência nos olhos que incapacita-o de enxergar direito e por isso, sofre com o preconceito. Martins compõe músicas românticas sertanejas, sonha em trabalhar no ramo e viu no Maluco Beleza um meio de divulgar seu trabalho e talento.“Aqui no Cândido fiz meus amigos e pude melhorar no aspecto vocal. Tudo que aprendi foi na força de vontade e sou o que sou graças ao Maluco Beleza”, disse. Com um CD de demonstração recém-gravado, ele conta que, sozinho, fez todo o arranjo.

Fernando Martins
Fernando Martins, amante e melhor amigo da viola

O médico sanarista e professor de saúde coletiva, Dr. Emerson Merhy apoia o Cândido desde 1990, quando houve a desmanicomização e acredita no projeto. Para ele, o Maluco Beleza e outros programas feitos por loucos em Santos, no Rio de Janeiro, em Minas Gerais e até mesmo fora do país, como em Barcelona, na Espanha, mostraram que mesmo na loucura, há vida. “Tudo bem que alguém ser esquizofrênico, mas isso não significa que não possa ser também um excelente cantor, pintor, narrador ou autor. E se não for, pode aprender e desenvolver a técnica”, diz.

Por lidar diretamente com os usuários da saúde mental, Merhy vê de perto algumas melhoras no quadro e outros ganhos. Segundo o médico, o rádio possui um efeito no mínimo terapêutico, mas contribui também para que os “loucutores”, como ele chama, explorem as existências ricas que possuem, fazendo com que os medicamentos sejam muito menos poderosos. “A pessoa passa a ser ver melhor, a se reconhecer, pois encontra uma forma de se expressar”.

Por se tratar ainda de um ponto de cultura, Merhy reforçou que a cultura está em todo lugar e deve ser explorada. “É preciso ficar claro que a cultura não está somente no teatro Alfa ou em qualquer outro teatro, mas está também no cotidiano, nos grupos, produzindo e testando novas possibilidades de valores sobre várias formas de linguagens”, completou.

Assista um trecho da gravação do programa comemorativo:

1 comentário

  1. Bom dia,
    Sou Carla, Assessora de Comunicação do Serviço de Saúde Dr. Cândido Ferreira. E gostaria de um contato de Marina Di Nardo, pois essa matéria que ela escreveu será premiada no Cândidos Jornalistas, preciso entrar em contato com ela. Se puder me enviar o contato Agradeço.

    Att.

    Carla Barreira
    Assessoria de Comunicação
    Serviço de Saúde Dr. Cândido Ferreira
    Contato: (19) 3758-8615
    E-mail: carla.barreira@yahoo.com.br

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s