Viracopos adquire Kit Recovery

Por Patricia Lopes

2013-03-19-06.03.26
Viracopos possui apenas uma pista para pousos e decolagens.  Foto: Patricia Lopes

 O aeroporto de Viracopos adquiriu nesta segunda-feira (dia 18/03) o Kit Recovery. De acordo com a Assessoria de imprensa, a ferramenta que está sob regime de locação, passará após o mês de julho a ser definitiva. A negociação aconteceu após o incidente com o Cargueiro Centurion, em outubro passado.

 O aparelho, cujo valor não foi divulgado, é composto por colchões de ar, macacos hidráulicos, compressores e cintas com aço. O Kit adquirido pela Concessionária, Aeroportos Brasil  é para aviões de grande porte. Sendo uma das soluções mais práticas para remoção de objetos, que possam atrapalhar o funcionamento normal da pista.

O técnico de manutenção aeronáutica, Tiago  Silva, explica o funcionamento. “O compressor capta o ar e através da pressão o injeta dentro dos colhões, a cinta serve para manter os colchões juntos. Os macacos dão apoio necessário para o reparo dentro de um hangar, por exemplo”. Segundo ele, é uma das soluções mais práticas devido a remoção suave do aparelho danificado. Nestas operações geralmente são utilizados guindastes.

No entanto, Silva, alega que o custo do equipamento é muito alto em relação a seu uso. O Kit Recovery é usado na maioria das  vezes em treinamentos, os acidentes dentro dos aeroportos são raros, grande parte acontece fora e com perca total da aeronave, explica.

 Viracopos, possui o maior terminal de cargas aéreas do país, deste modo, a paralisação da pista acarreta em problemas como o atraso de cargas internacionais expressas. Pode também ter reflexo como desvio de voos para outros aeroportos, e atraso dos voos domésticos e internacionais, implicando em pagamento extra de taxas, custo com tripulação (hospedagem e reagendamento de novas passagens). Além disso, as aeronaves pagam uma taxa pelo período que estão em solo.

Com base nos dados da revista Valor,  inicidente com o cargueiro Centurion, gerou prejuízo de R$ 20 milhões para as companhias aéreas, com o cancelamento de 500 voos. A solução só se deu 45 horas após, com o equipamento emprestado pela companhia aérea TAM.

Edição: Eliane Honorato

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s