Brasil tem aumento de 7% na incidência do câncer de mama

Por Giulia Cirilo



Por Giulia Cirilo

Outubro é o mês rosa, adjetivo este ligado a uma causa muito importante, que é a do combate mundial contra o câncer de mama. O movimento que teve início nos anos 90 e remete ao símbolo do laço cor-de-rosa tem por objetivo alertar a sociedade e levar a conscientização do diagnóstico precoce, quanto ao segundo tipo de câncer mais recorrente no mundo, perdendo apenas para o de pele.

Segundo estimativas do Instituto Nacional do Câncer (INCA), até o final de 2012 o câncer de mama será responsável por 52.680 novos casos no Brasil, tendo um aumento na incidência em 7% comparado a 2011. Esses dados são de extrema preocupação da saúde pública, pois se torna um grande desafio alertar a população quanto a prevenção secundária (exame do toque, mamografia, ultrassom e ressonância magnética), já que, em território nacional, os dados tem se convergido para um aumento linear.

A prevalência global estimada é de 4 milhões de novos casos, sendo nos Estados Unidos, população que mais sofre desse malefício, 227 mil novos casos, dos quais 39.510 chegarão ao óbito em 2012. O grande mal do câncer de mama, ao contrário do câncer de colo de útero, é que o quadro da evolução do tumor é muito rápido. O câncer do colo de útero, dos primeiros sinais que ele apresenta até chegar a um estado clínico muito grave leva em média 10 anos, já o de mama evolui em questão de meses, sendo a metástase o mais grave de ser radicado.

Segundo o Professor Doutor César Cabello, presidente da Regional São Paulo da Sociedade Brasileira de Mastologia, no Brasil o estadiamento clínico é de que 31% dos tumores são graves e 41% dos casos já chegam com a axila comprometida, sendo o estado de São Paulo o que apresenta o maior número absoluto de incidências do câncer de mama. Outro dado de extrema importância que o Doutor César apontou, é que nos países em desenvolvimento há uma alta prevalência do câncer mamário em mulheres jovens (abaixo dos 50 anos), essa fatia é responsável por 40% dos casos, o que só reforça a importância do exame do toque, já que o rastreamento por mamografia é aconselhável de 2 em 2 anos para mulheres acima dos 40.

Para o Doutor César Cabello, essa alta incidência em mulheres jovens é condicionada por alterações genéticas, tanto hereditárias quanto por fatores do ambiente/hábitos, como a questão da mulher estar deixando para ter filhos mais tarde ou não ter, ou não amamentar e também a utilização de pílula anticoncepcional por muito tempo. Todos esses incidentes podem estar ligados fortemente com o crescimento percentual do câncer de mama em mulheres com menos de 50 anos.

A mamografia diminui o risco de mortalidade em 24% dos casos, mas sua especificidade média é de 30%, sendo o ultrassom e a ressonância magnética mais precisos, porém com um custo muito mais elevado. Segundo o Doutor Hélio Sebastião Amancio Camargo, da CDE Campinas, está previsto 4 milhões para o investimento no setor do câncer de mama e colo de útero no Brasil, pois “há uma necessidade de uma maior qualidade nos aparelhos de mamografia, sendo a cultura de controle de qualidade no Brasil muito baixa”.

Questão Regional

Campinas possui um dos hospitais de maior referência nacional quanto a questão do combate ao câncer que é o Hospital da Mulher Prof Dr José Aristodemo Pinotti (CAISM), localizado na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), e que apresenta um programa de tratamento modelo, o que traz mulheres de várias cidades da região metropolitana, do Estado de São Paulo e Minas Gerais para fazerem o acompanhamento.

Segundo o Doutor Cássio Cardoso Filho, são atendidos em média no CAISM 300 novos casos ao ano, sendo de 3-4 casos de câncer de mama masculino. O CAISM fornece para seus pacientes todo o suporte psicológico e físico, como acompanhamento de um psicólogo, da assistência social e também de reestabelecimento corporal com a fisioterapia.

O Movimento

O movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa é comemorado em todo o mundo. Simboliza, mundialmente, a luta contra o câncer de mama e estimula a participação da população, empresas e entidades. Este movimento começou nos Estados Unidos, onde vários Estados tinham ações isoladas referentes ao câncer de mama e ou mamografia no mês de outubro e posteriormente com a aprovação do Congresso Americano o mês de Outubro se tornou o mês nacional (americano) de prevenção do câncer de mama.

 
Por Giulia Cirilo

Editado por Laura Mestres

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s