Nova lei da TV por assinatura traz expectativa ao mercado audiovisual brasileiro

crescimento TVs por assinatura em 2011

Danilo Zanini

Em entrevista ao Digitais PUC-Campinas, o diretor da Agência Nacional de Cinema (Ancine) e professor de Políticas Culturais da FAAP, Glauber Piva afirmou que, para  os próximos dois anos são esperados 20 mil horas mensais de conteúdo nacional, para TV paga. Segundo Piva, a Lei 12.485/2011, conhecida como a lei da TV por assinatura, é um marco na história da comunicação brasileira por incentivar produções de origem nacional.

O cineasta Caio Gullane diz que já está sendo procurado pelas empresas estrangeiras para o cumprimento da cota. “Eu apoio essa iniciativa, aliás, ela já está nos ajudando bastante, já está aparecendo alguns trabalhos”. Ele considera  que o Brasil tem grandes chances de fazer um nome sólido entre os países que atualmente estão consolidados na indústria audiovisual, visto que já são cerca de 2 mil  salas de cinema espalhadas por todo o território brasileiro, um número considerável se comparado a outros países como o México com 4 mil salas e, os Estados Unidos, que possui cerca de 7 mil salas.

Empenho e investimentos significativos

Glauber Piva diz que o governo brasileiro vem se empenhando; vem fazendo um esforço regulatório, tecnológico e orçamentário para que a lei da TV por assinatura traga bons resultados. Para o diretor da Ancine, a nova a lei é importante para responder questões históricas, e também é muito importante para estimular a economia audiovisual brasileira. “A nossa expectativa é pelo cumprimento,  pela melhor sinergia entre programadoras e órgãos reguladores, para que assim, se chegue a um bom resultado para o público” conclui.

Gullane observa que nos últimos 10 anos o Brasil cresceu em público e, na quantidade de filmes produzidos. Segundo ele,  isso é sinal que a política federal tem funcionado e para garantir que a lei saia do papel. A Ancine através de Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional (Condecine) irá disponibilizar recursos públicos significativos para alimentar os caixas das empresas compradoras de conteúdo nacional.

Expectativa

Piva completa dizendo que a lei não permite que conteúdos jornalísticos, esportivos ou registros de eventos sirvam para efeito de cumprimento de cota.E ainda se depender do mercado de TV por assinatura, a expectativa é de crescimento. De acordo com dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), cerca de 13 milhões de lares brasileiros possuem serviço de tv por assinatura, e para ser ter ideia, só em dezembro de 2011 foram 300 mil adesões.

Observe o gráfico abaixo para entender melhor a distribuição de assinaturas de TV a cabo por região do país,  e depois, ouça uma entrevista completa com Glauber Piva sobre o assunto.

Editado por Monique Ribeiro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s