Pesquisa genética auxilia na preservação de ave extinta na natureza

Pequisa realizada por um grupo formado por biólogos, organizações não-governamentais, criadores de ave e usineiros quer levar de volta para o Nordeste uma ave considerada extinta na natureza, o Mutum de-alagoas (Pauxi mitu). O professor da UFSCar Mercival Roberto Francisco é coordenador da pesquisa sobre DNA  que  comprovou a existência de Mutuns-de-alagoas puros-sangue, isto é, animais com o DNA genuíno de seus antepassados. “Com isso, podemos cruzar os indivíduos com a garantia de que perpetuarão a espécie”, diz o professor.

Foto: Mercival Francisco (divulgação)
Mutum-de-alagoas pode contribuir para a restauração da Mata Atlântica

Sem nenhum indivíduo em estado silvestre, o que torna o Mutum-de-alagoas uma das mais raras aves do mundo, e com os indivíduos cativos restantes confinados em poucos locais, foi criado o “Comitê para Recuperação e Manejo do Mutum-de-alagoas Mitu mitu”, que tem como objetivos principais gerar informações e ações para reverter a situação pela qual a espécie atravessa no momento, tão próxima de uma extinção completa.

A ave, nativa da Mata Atlântica nordestina, foi encontrada no começo do século XVII, no período de colonização holandesa da região. A semelhança com um parente amazônico, o mutum-cavalo (Pauxi tuberosa), confundiu os cientistas. Durante mais de 300 anos, o mutum-de-alagoas foi considerado o mesmo animal ou uma subespécie. Isso mudou em 1951 quando o ornitólogo Olivério Pinto identificou características que definiam o mutum-de-alagoas como uma espécie diferente.

Segundo Mercival, 54 das 121 aves existentes hoje são puro-sangue. Isso colocou o mutum à frente as ararinhas-azuis (com 70 indivíduos em cativeiro), na lista de aves ameaçadas. A salvação da ave nordestina também representa o começo de um longo processo de restauração da Mata Atlântica nordestina. O mutum é um exímio dispersor, e ao eliminar pelas fezes as sementes que ingere na alimentação, ele germina novas árvores – e ajuda a aumentar a floresta.

A próxima missão para o mutum-de-alagoas é reaprender a viver na natureza, desde comer sozinho até cruzar e fugir dos predadores. Ele precisará de áreas grandes (e contínuas) de mata encorpada e árvores frutíferas. Nove usinas de Alagoas, em cujas propriedades ainda há fragmentos de Mata Atlântica, comprometeram-se com o Ministério Público a replantar floresta.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s