Fim da distribuição de sacolas plásticas causa prejuízo no bolso do consumidor

Consumidores e o desconforto com as sacolas retornávies

O ato de ir às compras atualmente é desagradável para a maioria dos consumidores do Estado de São Paulo. Além de não ter onde colocar as compras, muitos como Aparecida Souza, tiveram que esticar o orçamento mensal pela falta das sacolas plásticas que serviam como saco de lixo e pelo investimento nas sacolas retornáveis, já que muitos não possuem carro para fazer o translado das compras.

Prejuízo no bolso do consumidor e lucro para os supermercados, empresas de saco de lixo e sacolas retornáveis, já que segundo Aparecida o preço destas sacolas variam entre R$5,00 a R$50,00, e  o gasto com o saco de lixo gira em torno R$10,00 a R$50,00. Valores que agora fazem parte do orçamento dos consumidores paulistas. “Precisei deixar algumas contas sem pagar por conta disso”, afirma Aparecida.

Para o presidente da Plástivida, (Instituto Sócio-ambiental dos Plásticos), Miguel Bahiense, há uma redução de custos, além do lucro para os supermercados, que passam a vender um produto que antes não era tão necessário aos consumidores. “Se trata de uma postura de redução de custos para o supermercado, porque ele deixa de comprar as sacolas plásticas e disponibilizá-las ao consumidor”.

Em números de acordo com dados da indústria, a Plastivida considera que os supermercados em todo Brasil tem um gasto atual de cerca meio bilhão de reais com as sacolas plásticas, ou seja, se houvesse uma eliminação das sacolinhas hoje em todos os estados, este número se reverteria para uma redução de meio bilhão de reais, contabilizando todos os supermercados do país.

Já quando o assunto é o meio ambiente, pesquisas realizadas em fevereiro de 2011 pela Agência Britânica Ambiental, segundo Bahiense, afirmam que de nove categorias ambientais avaliadas, as sacolas plásticas tiveram maior desempenho apresentadas em oito categorias, comparadas às alternativas utilizadas como, sacolas biodegradáveis, oxidegradáveis e sacolas retornáveis. “As sacolas consomem menos matéria prima e menos CO2 para a atmosfera, na vida útil da sacola. O grande erro é travestir uma questão ambiental, com interesses econômicos”.

Por outro lado, empresas fabricantes das sacolas plásticas tendem a ficar estáveis, pois, com a situação atual, irão se adaptar, fabricando assim um novo tipo de material plástico, que terá como função única, a utilização para o saco de lixo. A comparação de preço do saco de lixo, de uma rede de supermercados da cidade de Jundiaí , onde as sacolas já foram banidas desde agosto de 2010, com a mesma rede de supermercados em outra cidade que ainda utiliza sacolas plásticas chega à um aumento de 235%, de acordo com Bahiense.

Sendo assim, com o fim  das sacolas plásticas, o que parecia ser um inesperado aumento no bolso dos paulistanos,  pode se tornar um aumento contínuo, com o elevado preço dos sacos de lixo.

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s